Ordem Basiliana de S.Josafat

CASA PROVINCIAL

Província São José – Associação São Basílio Magno
Rua Catarina Basso Brunetti, 29
Bairro São Braz
CEP: 82315-120 – Curitiba – PR

Tel: (41) 3324-7441
www.osbm.org.br
curiacwb@uol.com.br


CASAS DE FORMAÇÃO

Mosteiro – Noviciado Assunção de Nossa Senhora Seminário Menor

Praça Tarás Schevtchenko, 845
Caixa Postal, 07
84460-000 IVAÍ – PR
Fone: 42 3247-1242

Mosteiro São Josafat

Caixa Postal, 02
Rua Cândido de Abreu, 1636
84400-000 PRUDENTÓPOLIS – PR
Fone: 42 3446-1140

Colégio São José

Caixa Postal, 02
Rua Cândido de Abreu, 1636
84400-000 PRUDENTÓPOLIS – PR
Fone: 42 3446-2212 e 3446-2234

SEMINÁRIO SÃO BASÍLIO

Caixa Postal, 11041
Rua Carmelo Rangel, 1200 – Seminário
80240-970 CURITIBA – PR
Fone: 41 3242-7553 

FASBAM – FACULDADE SÃO BASÍLIO MAGNO

Carmelo Rangel, 1200 – Seminário
80440-050 CURITIBA – PR
Fone: 41 3243-9800
www.fasbam.edu.br

A Ordem Basiliana de São Josafat é uma congregação religiosa, pertencente à Igreja Católica do Rito Oriental Bizantino.

A sigla OSBM (Ordem São Basílio Magno) é o título oficial dos Estatutos. A congregação basiliana é conhecida como Ordem Basiliana de São Josafat, porque foi São Basílio Magno o seu fundador e São Josafat Kuntzevitch quem reformou este ramo da Ordem de São Basílio Magno entre os anos 1607-1623.

A Ordem Basiliana tem suas Constituições ou Estatutos próprios, reconhecidos pela Santa Sé Apostólica. É uma ordem religiosa de Direito Pontifício. Seus membros professam os três votos de pobreza, obediência e castidade, aprovados pela Santa Sé Apostólica e mais o juramento de submissão e fidelidade ao Sucessor de São Pedro. No Brasil, esta ordem religiosa está registrada civilmente como pessoa jurídica e é conhecida também como Associação de São Basílio Magno.

História

Fundação

3.2.1-5 BrasãoA Ordem Basiliana foi fundada por São Basílio Magno, que nasceu em Cesaréia – Ásia Menor (329-379). Ele foi bispo e arcebispo da Cesaréia: um grande personagem sob muitos aspectos, proveniente de uma família aristocrática, isto é, rica materialmente e intelectualmente, personagem de destaque na sociedade pelas suas obras escritas ou praticadas, principalmente na vida cristã. Basílio herdou essa aristocracia de seus pais. Foi um sábio no campo das ciências e sábio no campo cristão. Com os bens materiais herdados de sua família, construiu abrigos para os pobres. Na formação, instruía seus seguidores a serem generosos para Deus e ao próximo.

Foi o pioneiro da vida monástica no Oriente. É conhecido, sobretudo pelas Regras Monásticas que escreveu como orientação aos monges. Confessor e Doutor da Igreja, ele recebeu o título de Pai de todos religiosos do Oriente, pai dos monges e padres basilianos nos seus vários ramos existentes, principalmente nas Igrejas de Rito Oriental.

Foi escritor e teólogo. Sua primeira obra escrita foi sobre o Espírito Santo. Destacou-se como defensor da fé ameaçada pela heresia ariana, que colocava em dúvida a divindade de Jesus.

Em torno de 370, foi bispo de Cesaréia da Capadócia, num ambiente minado por desvios doutrinais e por cismas.

É chamado Magno em virtude de sua intensa atividade pastoral, de sermões e obras escritas em defesa da fé cristã católica. Criou na cidade de Cesaréia uma verdadeira cruzada de serviços aos pobres, fundando hospitais, asilos, casas de repouso, escolas de artesanatos, etc.

Basílio Magno foi perseguido e maltratado pelos adversários da Igreja e levado para ser julgado no tribunal diante o rei Valentino (364-379), com ameaças, inclusive de confisco de bens e a pena de morte.

Basílio Magno foi um grande pregador do Evangelho. Suas palavras eram como fogo que aquece os corações e queima o cisco do pecado. São Efraim escreveu que viu certa vez no ombro do bispo Basílio uma pomba branca e afirmou: “Grande és, meu Deus. Basílio é a chama ardente através da qual fala o Espírito Santo”. A chama de fogo é o símbolo do amor heróico a Deus e ao próximo.

São Basílio morreu jovem, aos 50 anos de idade, mas foi o suficiente para que deixasse para a Igreja grande herança como o mais douto na Igreja sobre a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, o Espírito Santo, vida comunitária e atendimento aos mais necessitados. Mas principalmente deixou a Ordem de São Basílio o Grande, que continua sendo o ornamento da Igreja de Cristo até os dias atuais.

A partir das Regras Monásticas de São Basílio Magno

As Regras Monásticas escritas por Basílio Magno solidificaram um novo sistema de vida consagrada de estilo comunitário na Igreja. Até a sua época predominava o eremitismo. A partir das suas regras formaram-se comunidades religiosas masculinas e femininas, através de sua irmã Macrina, que passo a passo cresceram pelo oriente cristão e chegaram ao ocidente, principalmente à Itália.

Suas regras iluminaram homens de Deus como São Teodoro Studita, na Grécia, e consequentemente os Santos Teodósio e Antônio Petcherski (ou das Cavernas de Kiev). No ocidente, São Bento de Núrcia cita São Basílio Magno e o chama de “nosso pai Basílio”. No decorrer da história da Igreja tanto oriental como ocidental, Basílio escreveu e continua escrevendo história através dos vários ramos do basilianismo que persistem nas diversas Igrejas Católicas, orientais e ocidentais, bem como na Igreja Ortodoxa. Um destes ramos do basilianismo formou-se nas terras da Lituânia, Bielorrússia e Ucrânia, o qual precisou passar pela reforma de São Josafat Kuntsevitch e do seu colega José Veniamyn Rutskyj para reavivar esse estilo de vida consagrada comunitária, como será exposto adiante.

Reforma da Ordem Basiliana       

Entre os anos 1607-1616, em Vilna (capital da Lituânia), a Ordem de São Basílio se encontrava em decadência, principalmente espiritual. Josafat foi o iniciador da reforma no mosteiro de Vilna, principalmente a partir da celebração da Divina Liturgia e da Liturgia das Horas. Essa foi a base da reforma.

Historicamente, em Vilna, a época era de imensa desordem, principalmente para os católicos, pois eram perseguidos e maltratados pelos irmãos ortodoxos. Josafat, junto com seu amigo e futuro Metropolita José Rutskyj, em orações e obras, eram inabaláveis na reforma da Igreja e da Ordem Basiliana. Para os seus seminaristas e leigos, o principal testemunho e ensinamento era a vida espiritual, como as orações, meditações, contemplações, sobretudo a Divina Liturgia.

Josafat era assíduo no seu apostolado. Tinha dotes naturais para fazer amizades e a divulgação do Reino de Deus. Os dotes que não tinha naturalmente, adquiria através das práticas espirituais diárias. Dizia aos seus seminaristas: “Se alguém não tem dons naturais deve adquiri-los pelo esforço diário. Que ninguém diga que não tem capacidade ou dons para trabalhar na vinha do Senhor (Vida de São Josafat).

Colocou fundamento não somente nos muros dos mosteiros, mas principalmente na vida espiritual, dos jovens seminaristas.

Para a reforma da Ordem, ele teve muito apoio e utilizou-se de material do rito latino, principalmente dos Padres Jesuítas da Polônia. Tanto Josafat Kuntzevitch como o Metropolita José Rutskyj tinham uma visão ampla e aberta. No ano 1604, o mosteiro em Vilna estava vazio e abandonado, mas no ano 1614 já se encontravam sessenta jovens seminaristas formados e com uma vocação discernida. A partir daí o número dos vocacionados crescia.

No ano 1617 os seminaristas basilianos estavam atuando em cinco comunidades: Vilna, Betenh, Jerovets, Novhorod e Minsk. Essa foi a primeira etapa da reforma deste ramo da Ordem dos

Padres Basilianos.

Anos 1617-1623 na Bielorrússia

No ano 1617 começa a segunda etapa da reforma da Ordem dos Padres Basilianos, na Bielorrússia. Como em Vilna, assim também aqui se inicia com a reforma espiritual.

Josafat poderia permanecer em Vilna, pois ali tinha conquistado grande amizade e consideração. Mas obediente ao chamado e a vontade de Deus vai enfrentar a mais difícil e desorganizada comunidade na Bielorrússia. Os monges basilianos, também aqui, estavam em decadência, principalmente espiritual. Nos mosteiros não havia espírito religioso, reinava o individualismo e o egoísmo. Viviam acomodados, sem ideal e sem oração. As Regras de São Basílio se tornaram letra morta. Para a Bielorrússia vieram com Josafat Kuntzevitch e José Rutskyj alguns monges de Vilna. Como em Vilna, também na Bielorrússia, os jesuítas foram a mão direita para a reforma da Ordem.

Quando os mais poderosos viram a nova caminhada dos basilianos, sua dedicação em prol da Igreja de Cristo, ofereciam suas doações materiais para a melhoria dos mosteiros e manutenção dos monges. “Deus ajudava misteriosamente aos basilianos reformados” (São Josafat – Biografia).

Josafat foi fiel servo de Deus, fiel religioso basiliano, fiel sacerdote, bispo e arcebispo, graças a Deus e a seu constante esforço e doação ao Reino de Deus.

Morreu martirizado aos 12 de novembro de 1623 com fama de santidade. Foi beatificado vinte anos após a sua morte em 1643 e canonizado pelo Papa Pio IX dia 29 de junho de 1867. Seu corpo permanece inalterado, milagrosamente intacto, se encontra na Basílica de São Pedro no Vaticano.

Em tempos de difíceis perseguições dos séculos XVII-XX, pelos czares russos, reis da Polônia, Lituânia ou outros dominadores e ditadores regionais, a história dos basilianos confunde-se com a defesa da história da Igreja Greco-Católica Ucraniana. Os arquivos históricos denunciam atrocidades inimagináveis por causa da defesa da fé católica em territórios chamados ortodoxos. No entanto, restam exemplos inigualáveis de fidelidade aos princípios da fé recebida a partir da União de Brest-Litovsk, realizada em meados de 1595. Essa fidelidade que serve hoje como suporte básico para a reestruturação e solidificação da Igreja Greco-Católica Ucraniana no mundo.

Os Basilianos de São Josafat passaram ainda por mais uma importante reforma em 1882. Reforma esta conhecida como de Dobrómyl, concretizada com a ajuda dos padres jesuítas a mando do Papa Leão XIII. Esta reforma deu aos basilianos a face que os sustenta até os dias atuais.

Em julho de 2009, a Santa Sé Apostólica aprovou suas novas Constituições “ad experimentum”. Estas Constituições orientarão seus passos nos próximos anos e decênios.

Exercício da missão dos Padres Basilianos de São Josafat na atualidade

Encontram-se atuando em diversos países, entre os quais se destacam a Ucrânia, Eslováquia, Romênia, Polônia, Hungria, Canadá, Brasil, Argentina, Estados Unidos, Portugal e Inglaterra.

Missão no Brasil

A vinda do primeiro missionário basiliano ao Brasil, Pe. Silvester Kizema, deu-se na metade do ano de 1897. E isto, a pedido dos imigrantes Gregório Hladkei, Basílio Woitovicz e João Degan, que se estabeleceram em Prudentópolis. Inicialmente, o missionário sozinho e depois auxiliado pelos demais que vinham da Ucrânia, empenharam-se em pregar missões, catequizar, administrar sacramentos, organizar comunidades, construir igrejas, escolas, centros culturais, organizar grupos do Apostolado da Oração. Mais tarde foram organizados também os grupos da Congregação Mariana para os jovens e de Cruzada Eucarística para os adolescentes. Além disso, foram organizados corais, grupos folclóricos ucranianos, grupos de jovens, etc.

Historicamente, as datas mais relevantes são as seguintes:

1897 – vinda do primeiro missionário basiliano da Ucrânia para o Brasil.

1905 – fundação definitiva da missão canônica dos Padres Basilianos no Brasil.

1911 – vinda das Irmãs Servas de Maria Imaculada para o auxílio nas missões.

1911 – fundação da revista mensal “Missionário Ucraniano no Brasil” em Prudentópolis.

1912 – fundação do jornal ucraniano “Prácia” em Prudentópolis.

1921 – mudança das vestimentas basilianas da cor branca para a cor preta.

1931 – fundação da Vice-Província dos Padres Basilianos no Brasil.

1931 – fundação do noviciado basiliano no Brasil.

1935 – fundação do Seminário Menor São José em Prudentópolis.

1948 – fundação da Província São José dos Padres Basilianos no Brasil.

1969 – fundação do Seminário São Basílio em Curitiba.

1991 – ida dos missionários basilianos do Brasil para a Ucrânia.

1997 – Centenário dos Padres Basilianos no Brasil.

Bispos basilianos da Província São José no Brasil:

– D. José Romão Martenetz, OSBM

– D. Efraim Basílio Krevey, OSBM

– D. Volodemer Koubetch, OSBM

– D. Meron Mazur, OSBM

– D. Dionisio Paulo Lachovicz, OSBM

Superiores Gerais da Ordem Basiliana de São Josafat da Província do Brasil:

– Pe. Dionisio Paulo Lachovicz, OSBM (1996 – 2004)

– Pe. Basílio Koubetch, OSBM (2004 – ……

– Pe. Genésio Viomar, OSBM

Superiores Provinciais basilianos no Brasil:

Superior da Missão Canônica dos Padres Basilianos no Brasil:

– Pe. Marciano Szkirpan, OSBM (1905-1931).

Superiores da Vice-Província São José dos Padres Basilianos no Brasil:

– Pe. Eustáquio Turkovyd, OSBM (1931-1933)

– Pe. Marciano Szkirpan, OSBM (1933-1939)

– Pe. José Romão Martenetz, OSBM (1939-1948)

Superiores da Província São José dos Padres Basilianos no Brasil:

– Pe. José Romão Martenetz, OSBM (1948-1953)

– Pe. Josafat João Roga OSBM, (1953-1959)

– Pe. Pedro Paulo Baltzar, OSBM (1959-1964)

– Pe. José Orestes Preima, OSBM (1964-1970)

– Pe. Efraim Basílio Krevey, OSBM (1970-1972)

– Pe. Paulo Meron Kraiczyi, OSBM (1972-1982)

– Pe. Teodoro Lademiro Haliski, OSBM (1982-1988)

– Pe. Tarcísio Orestes Zaluski, OSBM (1988-1992)

– Pe. Januário Basílio Prestavski, OSBM (1992-1996)

– Pe. Domingos Miguel Starepravo, OSBM (1996-2004)

– Pe. Basílio Koubetch, OSBM (2004)

– Pe. Meron Mazur, OSBM (2004-2005)

– Pe. Teodoro Lademiro Haliski, OSBM (2006 – ……

– Pe. Paulo Markiv, OSBM

Carisma e espiritualidade

O carisma da Congregação Basiliana é a divulgação do Reino de Deus através da palavra proclamada e compreendida nas missões populares, através da palavra escrita (jornais, revistas, livros, radiodifusão e outros meios de comunicação), a formação e pregação de retiros.

A vida religiosa está centrada na vivência em comunidade.

A espiritualidade é Bizantina-Oriental, dando diariamente profunda ênfase à Liturgia, à Liturgia das Horas (moletvoslôv), à meditação, às leituras espirituais, à oração do terço e à iconografia bizantina.

As Divinas Liturgias que se celebram são as de São João Crisóstomo (ano todo) e de São Basílio Magno (dez vezes ao ano).

O trabalho catequético e missionário nas paróquias e comunidades segue diretrizes próprias e é aprovado pela Eparquia Ucraniana São João Batista, cuja sede se situa na cidade de Curitiba.

Casas

As casas de formação, no início da imigração ucraniana ao Brasil, eram as de Prudentópolis e Iracema (Itaiópolis – SC). Com o passar dos decênios, estabeleceram-se nas cidades de Prudentópolis, Ivaí e Curitiba. Em Prudentópolis, os basilianos administram o Colégio São José, fundado aos 4 de junho de 1935 como Seminário Menor São José dos Padres Basilianos. Neste, que passou a funcionar a partir de 2008 como externato, as crianças, adolescentes e jovens frequentam os cursos voltados para o ensino infantil, o ensino fundamental e o ensino médio. São cursos devidamente reconhecidos pela administração pública brasileira. Em Ivaí, está o noviciado dos Padres Basilianos para o discernimento à vida religiosa consagrada. A duração desse estágio é de dois anos, entre o ensino médio e o curso superior. Em Curitiba, localizado no Bairro Seminário, está o Seminário São Basílio, que foi fundado em 1969. É de onde os estudantes basilianos estudam as faculdades de Filosofia e Teologia.

No trabalho específico, os Padres e Irmãos Basilianos atuam em 11 paróquias: Nossa Senhora Auxiliadora – (Rua Martim Afonso) Curitiba – PR; Santíssima Trindade – Campo Mourão – PR; São Nicolau – Roncador – PR; Assunção de Nossa Senhora – Guarapuava – PR; Sagrada Família – Iracema – SC; Imaculado Coração de Maria – Irati – PR; Sagrado Coração de Jesus – Ivaí – PR; Nossa Senhora da Glória – Pitanga – PR; Transfiguração de Nosso Senhor Jesus Cristo – Ponta Grossa – PR; São Josafat – Prudentópolis – PR; Imaculada Virgem Maria (bi-ritual) – São Paulo – SP.

Atividades

– Atendimento espiritual de onze paróquias e suas respectivas comunidades

– Pastoral diversificada e de promoção da dignidade da pessoa humana

– Missões populares

– Educação

– Formação permanente dos membros

– Imprensa através de trabalhos gráficos e de radiodifusão

– Agropecuária

– Administração do patrimônio provincial.