Curitiba – Martim Afonso

PARÓQUIA NOSSA SENHORA AUXILIADORA – MERCÊS 

ENDEREÇO

Rua Martim Afonso, 441– São Francisco
80410-060 CURITIBA – PR
Fone: 41 3222-4873
E-mail: pnsra.auxiliadora@yahoo.com.br

 

CRIAÇÃO DA PARÓQUIA

martim
Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

A paróquia foi criada pelo Decreto Nº do dia 17 de dezembro de 1951, por Sua Excia. Dom Manuel da Silveira d’Elboux, Arcebispo de Curitiba.

A construção da 1ª Matriz ocorreu entre 1900/02, a 2ª em 1930 e a atual entre 1963/70, em alvenaria.

PÁROCO: Pe. Valdemiro Eufrem Krefer, OSBM

VIGÁRIOS PAROQUIAIS: Pe. Elias Marinhuk OSBM, Pe. Antônio Royk Sobrinho– Superior Provincial, Pe. Arcenio Krefer, OSBM, Pe. Mário Marinhuk, OSBM – Superior e Reitor do Seminário São Basílio, Pe. Soter Schiller OSBM, Pe. Teodoro Hanicz, OSBM, Pe. Basilio Koubetch, OSBM.

COMUNIDADES DE VIDA CONSAGRADA E OUTRAS EXISTENTES NA PARÓQUIA

Sede da Província de São José dos Padres Basilianos.

Sede Provincial da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada que também mantêm a Escola Madre Anatólia – Educação Infantil e Ensino Fundamental de sua propriedade.

Monumento ao Milênio da Oficialização do Cristianismo na Ucrânia.

Gruta de Nossa Senhora de Lourdes.

ATIVIDADES PASTORAIS

Catequese: realizada aos sábados e domingos. É ministrada pelas Irmãs Servas e também por catequistas leigas.

Cultos e devoções tradicionais: durante a Quaresma – Via-Sacra e Missa dos Dons Pré-Santificados, celebrações próprias da Semana Santa. Durante o mês de maio – tradicional novena (Maivka). No mês de junho – Novena ao Sagrado Coração de Jesus.

Ação Social: As Senhoras do Apostolado da Oração realizam arrecadações através de promoções em prol do da Casa de Repouso para Idosos. Periodicamente, realizam-se festas e promoções apropriadas, tendo por finalidade a manutenção da Paróquia e de suas obras.

Associações leigas religioso-culturais: Apostolado da Oração; Grupos de Jovens; Associação Santana; Congregação Mariana; Cruzada Eucarística; Coral Misto da Paróquia; Grupo Folclórico Infanto-juvenil “Soloveiko”; Comissão de Catequese; Comissão Administrativa Paroquial (CAP); Grupo da Terceira Idade.

ABRANCHES – CURITIBA

abranches

Construção da igreja, em alvenaria, entre 1973/77.

Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus.

Famílias: 142.

Distância da sede paroquial: 8 km.

 

ALTO TARUMÃ – CURITIBA

tarumaConstrução da igreja, em alvenaria, 1996/2003 e anteriormente da capela em 1975.

Padroeiro: São José Operário.

Famílias: 113.

Distância da sede paroquial: 10 km.

 

COLÔNIA IPIRANGA – ARAUCÁRIA

ipirangaA 1ª igreja construída em 1899, a atual em 1852 em alvenaria.

Padroeiro: Assunção de Nossa Senhora.

Famílias: 44.

Distância da sede paroquial: 38 km.

COLÔNIA MARCELINO – SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

INFORMAÇÕES GERAIS

Padroeiro: Santíssima Trindade.

Localização: Distância da sede paroquial: 48 km.

Congregação: Irmãs Servas de Maria Imaculada administram a Casa de Repouso Nossa Senhora do Amparo, lecionam na escola local e auxiliam nos diversos trabalhos pastorais.

HISTÓRIA

Colônia Marcelino: uma comunidade corajosa

marcelinoAs primeiras famílias, vindas de Castelhanos, estabeleceram-se na Colônia Marcelino por volta de 1897, ato representado por um Cruzeiro, edificado em 1899, agora substituído por outro de concreto e uma placa de mármore.

O nome da colônia homenageou o antigo proprietário de toda a extensão de terras da localidade, o coronel Marcelino José Nogueira, que facilitou a venda de glebas aos imigrantes e descendentes de ucranianos e poloneses.

Pertencendo à paróquia Nossa Senhora Auxiliadora em Curitiba, a comunidade foi fundada em 1902. No ano da fundação havia 265 paroquianos.
A primeira igreja de madeira foi construída em 1904. A igreja em alvenaria de 25 x 18 m. foi construída entre os anos de 1924 (segundo Demétrio Nogas, 1927) e 1932. O padre que atendia a comunidade era Rafael Krenetskyj, OSBM e o construtor foi André Pohranetchney, o mesmo que construiu a atual igreja de Prudentópolis. Os pintores foram João Chevchuk e Basílio Kozlinski, ambos de Antônio Olinto. O campanário foi construído em 1967.
As primeiras irmãs servas – EustáciaUhren, Ambrósia Sabatovicz e CristóforaMelhnek – chegaram no dia 7 de maio de 1931, dando início aos trabalhos pastorais, educacionais e de assistência aos doentes. A escola, juntamente com o convento, foi denominada “Escola Sagrado Coração de Maria”. Em 1951 foi construído o convento em alvenaria, sob constantes incentivos do Pe. Rafael Lotoski, OSBM, obtendo muita ajuda de toda a comunidade, tanto ucraniana como latina.

A casa paroquial foi construída em 1962 e o salão paroquial, em 1980. Este foi ampliado duas vezes: a primeira, sob a gestão de Pedro Nogas, em 1983, quando foram construídos os botequins; e a segunda, em janeiro de 2003, com Mário Nogas, que ampliou o pavilhão.

O grupo do Apostolado da Oração foi fundado em 1931, com 82 membros; a Congregação Mariana, em 1927, com 47 membros; e a Cruzada Eucarística em 1956, com 25 membros.

O terreno do cemitério paroquial foi doado em 1902 por André Remes, sendo ele o primeiro ali sepultado, pois sofreu um grave acidente ao providenciar uma tora de madeira para a construção de sua casa. Sob a direção de Miguel Ivanski, em 1964, foi levantado o muro que cerca o cemitério. Em 2001, sob Mário Nogas, o cemitério foi ampliado com novo muro e ainda foram construídos um banheiro e um depósito.

As Santas Missões populares aconteceram nos seguintes anos: 1899, 1917, 1937, 1947, 23-30.03.1969, 21.10.1983, 1-7.03.1998, 10-16.02.2008.

A comunidade de Marcelino ofereceu para o serviço da Igreja um número considerável de sacerdotes e religiosas. Padres Basilianos: Domingos e EstefanoStarepravo; os Padres Krefer: Doroteu, Mateus, Eufrem e Arcênio e Adriano; e Sérgio Baran Ivankio.

marcelino2Irmãs Servas de Maria Imaculada: falecidas:TaíciaParankaPudelko, Eleutéria Maria Skrobot e Emiliana Sofia Starepravo; na ativa:Zita Sofia Boiko, GenovefaCieslinski (ex), Maria AniziaCieslinski (ex), DeonísiaDiadio, Melécia Olga Drohomereski, Josefa AngelicaGuzik, Valdomira Anna Guzik, Maria de Lourdes Ivainski, Basilina Josefa Ivankio, Bernarda Paraskevia Ivankio, Virgínia Tereza Ivankio, Adélia Olga Krefer, Nadia Krefer, EmiliaNogas, Maria InesNogas, Teresinha de Lourdes Nogas, Verônica Nogas, Andrea Olga Starepravo, Dominica Paulina Starepravo, Ana Mônica Starepravo.

Na Colônia Marcelino se realiza anualmente, no mês de janeiro, a tradicional Festa do Trigo, chegando este ano à sua 42ª edição. Na época, quando todo mundo plantava trigo, essa festa foi idealizada pelo Pe. Taras Oliynek, OSBM. Em agradecimento à boa colheita, a Festa do Trigo busca valorizar e preservar a tradição e a cultura dos imigrantes e descendentes de ucranianos. Os participantes da festa podem saborear alguns pratos típicos ucranianos como a kutiá, varénneke, holuptzí e outras iguarias. Durante a festa há também apresentações de grupos folclóricos como o do Soloveiko, da própria colônia.

Casa de Repouso Nossa Senhora do Amparo

Durante vários anos, na década de 80, em suas visitas pastorais, sua Ex.ª D. Efraim B. Krevey, OSBM, na época Eparca dos Ucranianos Católicos no Brasil, vinha constatando a necessidade de construir uma casa de repouso para os idosos, com isso respondendo ao apelo evangélico do amor ao próximo, sobretudo aos mais desamparados, e ao ensinamento social da Igreja. Disse Jesus: “Isto vos mando: amai-vos uns aos outros” (Jo 15,17). Este amor deve acontecer não só nas relações interpessoais, mas também atingir e modificar as estruturas sociais. Por isso, o Papa Paulo VI falava sobre a “civilização do amor”, tema muitas vezes retomado por João Paulo II: “A civilização do amor… fim ao qual devem tender todos os esforços no campo social e cultural, como no econômico e político” (Carta encíclica Dives in misericordia /30 de novembro de 1980/, nº 14g).

“Nossa intenção é, o quanto for possível, vir ao encontro dos idosos necessitados, oferecendo-lhes um atendimento adequado, tornando a idade avançada mais confortável e, desta maneira, demonstrar o amor fraterno, que é o maior e o mais querido mandamento de Cristo Salvador”, escreveu, na época, D. Efraim; e após lembrar a parábola do Bom Samaritano, concluiu com as palavras de Cristo: “Vai. E também tu, faze o mesmo” (Lc 10,37).

Os passos decisivos para a construção da Casa de Repouso foram dados oficialmente na Reunião do Presbitério, no dia 7 de novembro de 1985, e na Reunião dos Párocos e Administradores ocorrida no dia 28 de novembro do mesmo ano. Foi decidido que todas as paróquias e capelas, uma vez por ano, repassariam a metade da arrecadação da festa principal para a construção desta casa. Com base nessa decisão, todos os Conselhos Administrativos Paroquiais foram orientados e animados pelos seus respectivos Párocos, Administradores e Coadjutores a abraçarem e colaborarem na execução da nobre causa. Além do orçamento programado em nível eparquial, a obra obteve considerável ajuda financeira por parte de benfeitores do Brasil, Estados Unidos e Alemanha.

O início da construção deu-se em janeiro de 1986. Vários motivos levaram à escolha da Colônia Marcelino como local apropriado para a casa de repouso: sua proximidade com a cidade de Curitiba, Mandirituba e São José dos Pinhais, facilitando a vinda de médicos para atender os idosos; é um lugar bastante tranquilo; a comunidade ucraniana é exemplar, porque é constituída de agricultores bem-sucedidos, atingiu um bom nível de vida e é bem organizada tanto do ponto vista social quanto eclesial; a presença das Irmãs Servas de Maria Imaculada garante um ótimo atendimento não só profissional, mas, sobretudo, pastoral e espiritual.

O projeto arquitetônico, idealizado por D. Efraim, é muito sugestivo – uma palma da mão: lembra e convida toda a comunidade a estender e abrir sua mão, pronta ao auxílio caritativo concreto ao próximo, ao idoso, muitas vezes sozinho, sem ninguém por ele, ou esquecido pelos parentes. São, portanto cinco alas, com aposentos necessários para uma permanência confortável: capela, portaria, secretaria, salas de visita, biblioteca, sala de recreação, sala de consultas, de fisioterapia, 40 quartos com banheiro, 6 quartos para os funcionários, cozinha, refeitório, lavanderia, depósito, garagem. Além disso, existe a horta e a granja, de onde se tiram muitas coisas para o sustento. Na baixada há um rio de água cristalina e um tanque com peixes. Na frente da casa há um bosque com calçadas e churrasqueiras. Em volta avistam-se as plantações e a mata verdejante. Tudo – muito bonito!

Muitas pessoas, de coração generoso, contribuíram manualmente na finalização da obra. O autor do anteprojeto foi o engenheiro Amauri Cavalheiro, sendo que o acabamento final saiu das mãos do engenheiro Luciano Voytsikovkyj. Do início até a conclusão, o mestre de obras foi o Sr. Pedro Keretch. A instalação hidráulica ficou por conta do Sr. Basílio Stadnik. A firma “Vemiltec” responsabilizou-se pela instalação elétrica. O Sr. João Moro colocou os azulejos, o Sr. Gregório Dutka – as janelas de aço e o Sr. Stefano Sparaga com seu filho – as portas. Os vidros das janelas foram colocados pelo Sr. Valdomiro Ribas Lima. O pintor foi o Sr. Teodoro Krechnitskey. As cortinas foram confeccionadas e colocadas pelo Sr. José Perih. Os Srs. Augusto Korelo e Darci Kaviak montaram as portas e os armários para todos os quartos e demais repartições. Os móveis menores foram feitos por Valdomiro Bodnar. O trabalho de fixação do piso parquet foi realizado pelo Sr. MaksRaich. Supervisionaram a construção o Sr. André Starepravo e seus filhos Rafael e Josafat. A madeira para a cobertura foi doada pelo Sr. Hilário Bezrutchka. Outros operários dedicaram seu tempo e energia na realização desta obra social que busca o bem comum.

A inauguração aconteceu sob o céu azul, no domingo ensolarado do dia 11 de dezembro de 1988. Num altar montado diante da entrada principal, D. Efraim, juntamente com vários sacerdotes, celebrou a Divina Liturgia para as Irmãs, Catequistas, representantes das diversas Paróquias e organizações ucranianas, e para uma multidão vinda principalmente de Curitiba. Após as palavras de gratidão e louvor, permeadas de comoção, sua Ex.ª. procedeuà bênção dos aposentos. O coral, formado por cantores de vários corais curitibanos e dirigido pelo maestro Adão Baran, abrilhantou a solenidade. Marcaram sua presença a deputada Vera Witchemechen e a Superiora Geral da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada Ir. Francisca Bebliw de Roma. As Irmãs dessa Congregação assumiram a responsabilidade da administração desta casa de assistência integral ao idoso.

Finalizada a cerimônia de inauguração e bênção, foi oferecido um almoço de confraternização aos benfeitores e aos convidados especiais. No pátio da igreja aconteceu a festa popular cujo lucro foi revertido em benefício da Casa de Repouso Nossa Senhora do Amparo – uma magnífica casa da caridade cristã.

A Casa de Repouso Nossa Senhora do Amparo, segundo as palavras de seu principal idealizador e executor D. Efraim, “é um testemunho visível de que a Igreja não só constrói igrejas, casas paroquiais e Seminários, como muitas vezes se afirma entre o povo, mas se esforça, preocupa-se e atende os problemas sociais do povo, dando-lhe, segundo suas possibilidades, soluções concretas. Ao mesmo tempo, esta Casa é e será um dos mais belos Monumentos do Milênio do Cristianismo na Ucrânia em território brasileiro”.

Grupo Folclórico Ucraniano Soloveiko

Soloveiko significa rouxinol. O grupo atual existe desde janeiro de 1994, mas já existia um grupo na década de 60 e 80 e que infelizmente se desfez. Mas o sonho de ter um grupo folclórico e a vontade de dançar continuou no sangue dos descendentes ucranianos. Então o grupo voltou a existir com o apoio financeiro da SICTUR (Secretaria da Indústria, Comércio e Turismo de São José dos Pinhais) e incentivo e colaboração por parte da Comunidade da Colônia Marcelino. Para adquirir os trajes, a comunidade colaborou financeiramente, bordando e costurando os mesmos. Assim, o sonho se tornou realidade com a primeira apresentação na 28ª Festa do Trigo daquele ano.

Em meados de 1999 até outubro de 2001 teve apoio financeiro da Secretaria da Cultura de São José dos Pinhais. Também teve apoio de outros grupos, como Poltava e Barvinok de Curitiba, os quais enviaram coreógrafos para ensinar as danças. Continua tendo apoio da Prefeitura, a fim de preservar as tradições locais ucranianas no seu conjunto, como a festa do trigo e costumes a ela ligados.

O grupo apresenta-se na própria comunidade como na Festa do Trigo, Dia das Mães e Dia dos Pais, e, em várias outras festividades dentro do município, tais como: Festa da Colheita em Colônia Murici, Festa do Pinhão, Festa do Padroeiro e Dia da Cultura. Fora do município apresentou-se na Festa da Roseira em Campo Largo, Mandirituba, Fazenda Rio Grande, Prudentópolis e Curitiba (Santa Felicidade, Sede Barvinok, Sede Poltava, PUC e Memorial Ucraniano).

Todo ano acontece o Festival de Danças Folclóricas Ucranianas, nas quais o grupo já participou: União da Vitória, PR (1994), Ponta Grossa, PR (1996), Prudentópolis, PR (1997), Canoinhas, SC (1998), Mafra, SC (1999), Porto Alegre – RS (2000), Colônia Marcelino (2002), Mallet (2003), União da Vitória (2004), Porto Alegre (2005), Rio Azul (2006), Roncador (2007). Esse evento teve como objetivo principal preservar e divulgar o rico folclore ucraniano e também proporcionar a interação e enriquecimento entre os membros e os diversos grupos folclóricos na Comunidade e no Brasil.

Com esse evento decidiu-se então, no dia 10 de março de 2002, regularizar a situação jurídica do grupo com o registro do estatuto de pessoas jurídicas sob o nº 1585, protocolado e microfilmado sob o nº 1215, em São José dos Pinhais. Conforme o estatuto, a diretoria do grupo é empossada para um mandato de dois anos, sendo Presidente o Sr. Pedro Nogas Neto e Coreógrafos: Noeli Cristiane Nogas Ramos e Roelcio Ramos. O Presidente atual é o Sr. José Laertes Cardozo e o Vice é o Sr. Pedro Nogas Neto.

Os componentes, no total, são aproximadamente 60. O grupo passa por alguma dificuldade, mas está buscando motivações e a organização suficiente para continuar seus trabalhos.

Bênção da pedra fundamental da nova igreja

No dia 27 de janeiro de 2008, na 42ª Festa do Trigo, após a celebração da Divina Liturgia, em pleno canteiro de obras, foi lançada e abençoada a Pedra Fundamental da nova igreja em louvor à Santíssima Trindade, por Sua Excelência D. Volodemer Koubetch, OSBM, Eparca dos ucranianos católicos no Brasil; estando presentes D. Efraim Krevey, OSBM, Eparca Emérito; o Pe. Teodoro Hanicz, OSBM, coadjutor e pastor desta comunidade; o Sr. Leopoldo da Costa Meyer e esposa, Prefeito Municipal de São José dos Pinhais; o Sr. Antonio Benedito Fenelon, vice-prefeito Municipal; o Sr. Leopoldo Magno Magalhães, arquiteto; o Sr. Sandro Setim, Secretário Municipal da Indústria, Comércio e Turismo; o Sr. Pedro Nogas Neto e Sra. NeoníliaDiadioNogas, Presidente-Executivo do Conselho Administrativo Paroquial; os padres: Mateus Krefer, OSBM; Teófilo Michalichen, OSBM; Marcos Andreiv e o Padre Aleixo W. de Souza, representando Sua Excelência D. Ladislau Bienarski, Bispo da Diocese deste município e um grande número de fiéis.

No marco onde será o altar, foi enterrada uma caixa de concreto construída pelo Sr. Mauro Jair Buiar, na qual foram colocados pelas mãos das autoridades presentes objetos especiais, que marcaram o acontecimento como uma data histórica da Colônia Marcelino. Com orações e cânticos dos fiéis: a cruz foi depositada por D. Volodemer; o mapa do município de São José dos Pinhais, pelo prefeito Sr. Leopoldo da Costa Meyer; o calendário de 2008, por D. Efraim; o convite da 42ª Festa do Trigo, pelo Presidente-Executivo do CAP, Sr. Pedro Nogas; o Projeto Arquitetônico da nova Igreja, pelo arquiteto Sr. Leopoldo M. Magalhães.

Logo após, o Pe. Teodoro fez a leitura, em português e ucraniano, da Ata Ad Aeternam Rei Memoriam, a qual foi assinada pelas autoridades e fiéis presentes ao evento.

Desejamos muito sucesso e bênçãos divinas aos dirigentes, agentes pastorais, engenheiros, construtores, benfeitores e a toda a comunidade ucraniana da Colônia Marcelino no levantamento desse belíssimo templo, que certamente será um cartão postal da região, mas que também demonstrará visivelmente a fé do nosso povo, a riqueza da nossa cultura e a beleza do nosso Rito.

Visita do Eparca Dom Volodemer

Iniciando no dia 6 de agosto de 2010, Festa da Transfiguração de Nosso Senhor, com a recepção e celebração da Divina Liturgia, o Eparca Volodemer realizou a visita pastoral e canônica na Colônia Marcelino, a 50 km de Curitiba e a 12 km da BR 116, município de São José dos Pinhais. A visita foi encerrada no domingo, dia 10 agosto. Na homilia de abertura foi explicado o que é uma visita canônica e a conversão, partindo do fato da transfiguração de Jesus e da transformação da águia.

A comunidade ucraniana de Marcelino é formada por mais ou menos 110 famílias, dessas em torno de 80 participam ativamente. Se levar em conta as famílias que se visita no “Iordan”, sem contar os latinos, então esse número sobe para mais de 150. São famílias que, por parentesco ou casamento misto, têm algum vínculo com os ucranianos, mas sua participação é esporádica.

Atendida pastoralmente pelo Pe. Teodoro Hanicz, OSBM, diretor e professor do Studium OSBM em Curitiba, a comunidade tem à frente a administração do Sr. Pedro Nogas Neto, Presidente Executivo do Conselho Administrativo Paroquial (CAP). O atual CAP atua desde 2004 e foi reeleito em Assembleia realizada em outubro de 2007.

Todos os dias da visita do Bispo foram chuvosos, mas os encontros com os grupos aconteceram com participação muito boa. O programa dos encontros seguiu a seguinte ordem:

dia 6: de manhã – abertura e visita de uma família; à noite – CAP;

dia 7: de manhã – atendimento pessoal e visita de uma família; à tarde – encontro com as irmãs da Escola Irmã Ambrósia Sabatovicz, dirigida pela Ir. Maria Gaiocha, SMI e da Casa de Repouso, dirigida pela Ir. Catarina Michalichen; à noite – com o Apostolado da Oração, coordenado pela Ir. Antônia Suchoronczek, SMI e cujos membros são divididos em 8 subgrupos – krujkê, com os seguintes zeladores: Tadeu Krefer, Mário Nogas, Nicolau Buiar, Ana VernitskiBoiko, Maria Krefer, Lúcia Mokosz, Joana Gudzik, Helena Starepravo;

dia 8: de manhã – confissão e Missa para os idosos da Casa de Repouso e visita a uma família; à noite – encontro com o grupo de jovens, acompanhados pela Ir. Maria;

dia 9 de manhã – encontro geral na igreja com as crianças da catequese e do Movimento Eucarístico Jovem – MEJ, dirigido pelas catequistas BeloniBuiar e Simone Krefer; visita às salas e diálogo com as catequistas, coordenadas pela Ir. Maria;

dia 10: de manhã – encerramento com a Divina Liturgia, homilia de encorajamento e orientações diversas, homenagem pelo Dia dos Pais e bênção das flores, frutas e sementes; almoço de confraternização na casa do Presidente-Executivo; à noite – visita de uma família.

A qualidade de vida das famílias da colônia é boa. Vivem do cultivo de hortaliças e condimentos e também de granjas avícolas. A valorização do trabalho, sobretudo o trabalho agrícola, como meio de realização familiar e de qualidade de vida é uma atitude notável nas famílias. A comunidade ucraniana realiza duas festas (de igreja) anuais: a Festa do Trigo sempre no último domingo do mês de janeiro e a Festa da Padroeira Santíssima Trindade.

Outras qualidades podem ser destacadas: existe um bom grupo de jovens universitários conscientes dos valores religiosos e culturais da comunidade à qual pertencem; senso comunitário, que mantém a união das pessoas e das famílias e boa organização e trabalho conjunto dos agentes de pastoral; a família, estruturada nos moldes cristãos e católicos, é colocada em alta estima e consideração como ideal a ser cultivado dentro da realidade atual, que não favorece muito a vivência familiar; preocupação com a formação das gerações futuras em todos os sentidos ou dimensões: humana, profissional, cultural, espiritual e moral, tendo em vista os valores específicos da etnia ucraniana; empreendimento corajoso em assumir a construção de um templo majestoso dentro das exigências do rito bizantino-ucraniano.

Dom Volodemer Koubetch, OSBM

ATUALIDADE

Famílias: 207.

Atividades pastorais e socioculturais

Catequese.
Atendimento a idosos na Casa de Repouso Nossa Senhora do Amparo.
Movimentos: Apostolado da Oração, Movimento Eucarístico Jovem.
Grupo Folclórico Soloveiko.
Está sendo construída uma belíssima igreja segundo o modelo da igreja de Zarvanêtsia, Ucrânia.

 

PASSO AMARELO – FAZENDA RIO GRANDE

INFORMAÇÕES GERAIS

Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus.

Localização:Passo Amarelo é uma colônia situada atualmente no município de Fazenda Rio Grande a 38 km de Curitiba e a 6 km da BR 116. Anteriormente estava situada no município de Mandirituba.

HISTÓRIA

Pastoralmente vinha sendo atendida de Curitiba – paróquia Nossa Senhora Auxiliadora – desde o ano de sua fundação em 1911, quando haviam 45 paroquianos.

A primeira igreja, de madeira, de 12 x 6 m., foi construída em 1912 pelos carpinteiros EstefanoNazar e Nicolau Danelchuk. A igreja em alvenaria foi construída em 1975 e o salão paroquial em 1986, o qual foi por várias vezes ampliado e melhorado. O campanário foi construído em 1994.

O terreno do cemitério foi providenciado antes da construção da primeira igreja, com a chegada dos primeiros imigrantes ucranianos.

As duas últimas Santas Missões Populares foram pregadas em março de 2001 e nos dias 17 a 23 de fevereiro de 2008 (Pe. Gregório Hunka, OSBM).

O grupo de Apostolado da Oração foi criado em 1918, com 46 membros. Extinguiu-se em 1992, porque poucos participavam das reuniões, não havia motivação e organização suficiente e havia dificuldades em relação à língua ucraniana. Em 1998 voltaram a fazer as reuniões, com 10 a 15 pessoas.

brazEm 2003, na catequese trabalhavam a D. Eliane Kogut, auxiliada pela Carla Ferreira e por dois seminaristas basilianos Luiz Cassiano e Valmir Uhren. No primeiro ano estavam 3 crianças e no segundo 22. A primeira comunhão estava sendo programada para fevereiro de 2004. A jovem Adriana Abreu ensinou como voluntária. No mesmo ano, atuou um grupo de jovens com aproximadamente 15 participantes, sendo seus líderes: Daiane Roik, Carlos Alexandre Ferreira e Mariana Willeman, que estava gravemente doente.

O Conselho Administrativo Paroquial em 2008, eleito em 09.08.2008: Presidente-executivo: Francisco Carlos Ferreira. Vice-presidente-executivo: José Corol. Auxiliares: Paulo Gilmar Roik, AmauroRoik, Luis Carlos Baran, Hamilton Roik, Pedro Domingos Baran. Conselho fiscal: Geraldo Corol, Izabel Kogut, Mário Jociel Machado, Lauro Roik, Floriano Roik Filho. Tesoureiros: LuisRoik, Seminarista Antônio Nazarko – colaborador. Responsável-forno: Eva Margarida de Lima Baran, Anastácia Baran Machado.

Nos dias 16 e 17 de agosto de 2008, o Eparca Dom Volodemer Koubetch, OSBM realizou a sua primeira visita pastoral e canônica à comunidade.

ATUALIDADE

Famílias: 103.

Atividades pastorais e socioculturais

Conselho Administrativo Paroquial.

Apostolado da Oração.

SÃO BRAZ – CURITIBA

brazConstrução da igreja entre 1999/2003.

Padroeiro: Nossa Senhora do Patrocínio.

Famílias: 76.

Distância da sede paroquial: 6 km.